(Don’t) let me sleep

(Don’t) let me sleep

Odeio este tempo bipolar (irónico) que nos faz querer sair da cama e aproveitar os raios de Sol, mas ao mesmo tempo enfiarmo-nos na cama com o ar condicionado como se estivéssemos na Sibéria com a maior das molezas.

O que mais me deixa frustrada é que quando na verdade saio à rua sinto-me incrivelmente inspirada e sinto-me bem. Mas para me sentir bem, estou-me a sentir mal primeiro. É toda ela uma simplicidade complexa.

Tenho uma casa para decorar e até o nome das cores me esqueci, tenho a cabeça a rebentar e uma nova fase da minha vida a iniciar e aqui estou eu a esconder-me debaixo dos cobertores. “Vamos, anda… olha ali coisas brilhantes e um pónei…e a Audrey Hepburn em cima dele com coisas brilhantes e quer-te levar a lanchar debaixo daquele Sobreiro com coisas boas que não engordam e são brilhantes também.” Basicamente é este o meu discurso para me convencer, não faço estatísticas porque chumbei.

Aproveitem o bom tempo, contudo façam um estudo intensivo sobre para onde vão, caso contrário estarão mesmo a meter-se na highway to hell.

Scusi, dove è…

 

Relações à distância são no mínimo complicadas e requerem muito esforço por parte das duas partes para que esta perdure. Pior ainda quando nenhum dos dois esteve numa relação e se encontra às cegas neste tipo de relações.

Posso dizer que de parte a parte tanto eu como o meu namorado estamos a tentar empurrar os continentes para ficarem mais próximos e como consequência, nós também.

Temos feito de tudo para que a nossa ligação seja mais forte do que a distância e das nossas personalidades tão opostas e, assim, o meu namorado super lógico e racional preparou um pequeno jogo para mim: ia marcar férias sem eu saber absolutamente nada; nem quantos dias, nem para onde ou sequer quando íamos. Eu, sendo (bem) mais aventureira que ele disse que sim e parti à aventura e no dia, com malas feitas sem saber o que iria vestir, fomos até ao aeroporto de comboio e em Lisboa embarcamos na nossa viagem para Roma.

Fui considerada melhor chef que os chefs italianos, pois depressa percebi o segredo e à noite íamos jantar fora, pois passamos os cinco dias a caminhar, a inventar os nossos jogos, a tirar fotos e a perdermo-nos pelas ruas lindíssimas de Roma. Treinamos o nosso italiano e conhecemos diversas pessoas e as suas histórias. Experimentámos as coisas boas e escondidas dos outros turistas e nem demos pelo tempo passar.

Desta viagem, podia contar muito mais, muitas histórias, mas prefiro guardar algumas para mim e para ele que me deu dias gloriosos como tanto precisava.

Espero que continuemos a surpreendermo-nos um ao outro para que o tempo que ele está fora passe a voar e eu tenha o meu parceiro do crime aqui comigo a inventar e fantasiar. Ficamos bons nisso não foi?

Here comes the sun

Here comes the sun

Se finalmente posso andar the pumps sem ficar com os pés molhados, não perco a oportunidade. A alegria de caminhar em sapatos que gritam Sol e boas energias é fantástica e confesso que já ando atrás de uns amarelos há bastante tempo. Porquê?

Algo que o meu pai me diz muitas vezes por eu adorar amarelo é “senão fosse o mau gosto, o que seria do amarelo?”, contudo o amarelo é uma “cor diva”. Ou seja, é impossível não notar, tem imensa personalidade, mas tem de ser usado com confiança, caso contrário cai no mau gosto.

Com o amarelo nos pés, o resto da roupa é bastante simples, desde o penteado, ao batom, aos brincos.

A camisa “boyfriend style” é das minhas preferidas combinadas com umas calças mais justas. As tiras da camisa sempre na vertical para dar a ilusão de que somos mais estreitas e altas, é sempre benéfico.

Nesta altura do ano são este tipo de conjugações que faço – uma peça mais larga e outra mais justa para me sentir mais à vontade por causa do calor e porque é realmente um conjunto bastante confortável.

Pearls are timeless

20160416_131259.jpg

Dizem que os diamantes são os melhores amigos das mulheres e não posso dizer que o “bling bling” não me atraia, – será que a história de que as mulheres e os peixes têm em comum essa obsessão por coisas brilhantes? – mas sempre adorei pérolas.

Desde que era uma miudinha atrás da mãe a vê-la ainda a usar uns fios de pérolas e coisas que tal, mais o meu fascínio pelas antigas estrelas de Hollywood, sempre de lábios pintados, vestidos volumosos com brincos e fios de pérolas, tão elegantes, tão femininas, fez com que ainda hoje me perca por elas.

Este colar foi-me dado pela minha mãe, – tal como muitas outras peças ela me deu e eu guardo e uso com muito carinho – e são peças tão versáteis e intemporais. Peças extremamente delicadas e ao mesmo tempo com uma imagem tão forte que assina-la um look que pouco mais pede a não ser atitude.

Utilizo bastantes pérolas nos meus desenhos e começaram-me a surgir algumas ideias para mostrar este meu fascínio por este elemento tão requintado da Mãe Natureza.

Small Talks: Hélio Pestana

10308363_644036999002887_681810578995112971_n

A 25 de Maio de 1985 nasceu Hélio Lopes Pestana que em 2004 entrou para a Faculdade de Arquitectura, onde congelou matrícula quando foi aceite para entrar na série “Morangos com Açucar”, começando assim a sua carreira de actor e modelo. Teve outras participações em “Dei-te quase tudo”, “Paixões Proibidas”, “ Quinto Poder”, “Podia acabar o Mundo”, “Dança Comigo, “ Jesus Cristo Superstar” e fez a dobragem para o filme “Carros”.

Contudo, houve sempre algo que ele manteve sempre para si, algo que o ia deteriorando cada vez mais, mas o que o que calava foi o que o levou a entrar no mundo do espetáculo onde pertence. O seu casting para a serie “Morangos com Açucar” foi para chamar a atenção a uma rapariga e alcançar o estatuto que ele necessitava de ter para estar com ela.

Todavia isso nunca aconteceu e quando em 2009, numa procura na internet por respostas sobre todo o tipo de coisas e como elas funcionavam, Hélio encontrou-a e declarou-se sem heistar, ao que ela respondeu “não”  também sem hesitar.

Enquanto falava com o Hélio perguntei-lhe se ele tinha contado a alguém desta sua insatisfação que ele sentia e da sua obsessão que a cada dia que passava se tornava cada vez pior, ao que ele me respondeu que não, que apenas em 2009 é que contou à família e a toda a gente que pudesse o que sentia por ela.

Em 2011 é internado no hospital, todavia apenas dois meses depois é-lhe dada alta sem ter tido o apoio necessário para ultrapassar algo que o consumia há anos, o que fez com que fosse buscar  apoio a entidades superiores para o ajudar a superar. É depois internado numa clínica em 2012 onde foi mais acompanhado e virou-se mais para a religião.

Começou a escrever poesia e já tem um livro pronto para ser publicado. Dedicou-se também a aprender a arte de ser guia espiritual e dava consultas grátis às pessoas da clínica. Ao mostrar progressos e vontade de voltar ao trabalho deram-lhe alta.

Voltou para casa da mãe e esperou até voltar a ter forças para trabalhar, contudo o facto de estar lá fê-lo perceber que queria mesmo voltar a trabalhar e esquecer o preconceito das pessoas. Para além do livro, tem um novo book e quer dedicar-se à música e neste momento anda a contactar estúdios.

Para ajuda neste projecto o Hélio precisa do vosso apoio para iniciar assim a sua carreira, portanto qualquer donativo seria uma grande ajuda.

Posso dizer que foi um gosto poder falar com o Hélio e perceber melhor o que se passou com ele e pude ver uma pessoa humana com bastante coragem para assumir em público o que passou, sendo ele a celebridade que é. É uma inspiração e não foi por ser famoso que os problemas não lhe chegaram. Insatisfeito com a vida que tinha quer fosse a nível familiar, amoroso, social, ele não baixou os braços e hoje temos um novo e melhorado Hélio Pestana que merece este apoio para ter a sua segunda oportunidade de nos mostrar, uma vez mais, o seu talento.

Agradecimentos ao Hélio Pestana pela entrevista e boa disposição.

How would your “panic room” be like?

Tenho das mais estranhas das estranhezas e no que toca ao que para os outros seria mais lógico para mim… nem sempre.

Adoro ver “Mentes Criminosas” porque me ajuda a relaxar. Com tanto sangue e cenas tétricas e mentes perversas, pouco tempo há para pensar nas minhas cenas tétricas. É chegar ao fim do episódio e descobrirmos a “pessoa má” e dizermos “eu sabia!” ou “woooow, blow mind”.

Lembro-me que num episódio eles encontram uma divisória que seria um sala de pânico. Bem, suponho que uma sala de pânico seja para uma pessoa se meter lá dentro quando há uma situação de pânico e ficar bem. Contudo, aquela sala mais pânico transmitia. Escura, húmida, sem nada.

Claro que nestes entretantos me comecei a questionar: se tivesses uma sala de pânico, como seria? O que necessitarias de lá ter para numa situação dessas voltasses ao normal?

Foi bastante fácil até. Tinta, caderno e caneta, milhões de tecidos diferentes e de diferentes texturas, almofadas – imensas almofadas -, água e a Simba.

Sabem aquela imagem de uma mulher nua enrolada em dinheiro? Sempre que entro em lojas de tecidos, como hoje, imagino-me enrolada com eles enquanto danço ao som de “walking on the sunshine”.

E pronto, acabaria o pânico. Se estivesse a fugir de alguém de certeza que depois acabaria por se juntar a mim com uma música tão contagiante e tecidos bonitos e maravilhosos, caso contrário, alguém já teria uma sala de pânico toda equipada quando o serial killer de máscara e serra eléctrica fizesse o que tem a fazer – não sei o que acontece, não consigo ver filmes de terror, a ficção é demasiado assustadora.

Sempre protegidos, não digam que eu não avisei…

“I still believe when you say: it’s another rainy day, another rainy daa-yy”

wp-1459629605625.jpgwp-1459629594565.jpgwp-1459629629865.jpg

Por muito frustrante que estes dias de chuva pouco ou nada nos dêem descanso, podemos usa-la como desculpa para ligar e marcar cafés com os amigos e não dizer absolutamente nada de que se possa aproveitar, nem que a salvação do Universo dependesse disso.

Sou totalmente contra guarda-chuvas, abomino tal espécie e por isso ou passo muito chuva ou uso chapéus que se torna um acessório bastante divertido como também um pouco perigoso, pois pode ser um pouco difícil encontrar uma boa combinação com o conjunto completo.

Desta forma, eu e o meu excelente fotografo  – que se divertiu imenso a tirar as fotos – reunimos a pouca força e coragem que tínhamos para enfrentar os horrores e terrores de um tempo nada convidativo e claro está, passamos um bom bocado nesta nossa reuni\ao privada que provou que “quanto me mais me bates, mais eu gosto de ti”.

Fotos: José Carlos Rodrigues